CLIQUE E OUÇA RADIO CANAL39

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Reposicionamento x acomodação (O que é que há, Ferrô?)

Não é comum, nos dias atuais, a notícia de empresas famosas tomarem rumos diferenciados de seu foco inicial, em nome do reposicionamento de mercado, combatendo a acomodação.

Qualquer empreendimento carece, a certos intervalos de tempo, de estudos para se manter vivo no mercado, qualquer que seja sua área de atuação.
Já abordei aqui, por mais de uma vez, a atual situação de UTI pela qual passa a nossa querida Ferroviária de Pindamonhangaba.

Recentemente foi lançada uma agenda de eventos dominicais, com determinação de idade para maiores de 18 anos. Seria a saudosa domingueira ou um projeto novo, calculado talvez sem muita noção dos riscos e da audiência por parte do público alvo.

Não adianta, simplesmente, mudar o foco por meio de ações simples.

Mudar comportamentos é uma das tarefas mais árduas do marketing moderno e demanda pesquisa de opinião, avaliação de desempenho do mercado consumidor, treinamento da equipe de atendimento.

Também há que se considerar o investimento planejado, não bastando anunciar "a melhor domingueira da cidade" se é público, notório e redundante não existir outra opção na cidade. Sim, ainda não existe, pois o projeto ainda capenga das duas pernas, se arrasta na tentativa de não sofrer eutanásia.

A eutanásia, principalmente por conta do caixa em vermelho, seria a aposição de assinatura num atestado de fracasso.

Os setores administrativos, todos eles, precisam comungar do mesmo ideal, não deixando para o outro "tocar a coisa" simplesmente por não se tratar de coisa de uma área ou de outra.

Ousar, sem fundamentação técnica a respeito do feed back do público alvo, é apontar a metralhadora para os dedões dos pés e disparar. É ridículo tentar ressuscitar o defunto frio com respiração boca a boca via email...

O planejamento de realização precisa contemplar todos os itens de um check list, destacadamente no que tange à divulgação.

A sondagem junto aos possíveis frequentadores, a grade de veículos disponíveis e a sua suposta boa audiência devem ser considerados como vitais para o retorno desejado.

Por outro lado, nivelar preços das atrações por baixo, por conta da pouca disponibilidade de caixa é condenar o evento ao fracasso.

Não estivemos presentes, propositalmente, às realizações das domingueiras. Preferimos avaliar o resultado por depoimentos de pessoas que conheceram o que era e o que está sendo em termos de público a ex-famosa domingueira da Ferrô, cujo resultado dos bares suportava quase que totalmente a folha de pagamento dos funcionários.

Deverão alegar os desvios de preferência às modernas opções de lazer, como as lan house, os cinemas de shopping, às casas de espetáculos da região. Claro, pois somente buscar desculpas é mais cômodo do que ousar, buscar parcerias de sucesso, ar regimentar especialistas em conhecedores do que, efetivamente, acontece em termos de sucesso musical e formatos de eventos.

Distribuir convites, oferecer mesas, sortear brindes e outras ações "burocráticas" não comove tanto como antigamente e, por isso, não resultam em bons frutos.

Há um grande número de associados carentes de opções de lazer. Não é mais possível acreditar que os frequentadores das saunas, da academia ou das outras atividades constituem o todo com capacidade de multiplicar informações e desenhar, solidamente, o perfil e definir gostos.

Se a coisa continuar como está, não adianta "desenterra a caveira de burro", chamar exorcistas e rezadores para fazerem milagres.

Compete a quem administra se imbuir de maior confiança em si próprio e rasgar os laços de "saudade daqueles tempos", decidindo-se pelo restabelecimento do clube.

Simplesmente porque, aos domingos, nada há que se fazer em Pindamonhangaba, quando se trata de local para ouvir música e dançar. Qualquer que seja o ritmo ou estilo.

Trocando em miúdos: planejamento + estudo da mídia + atrações de conceito + preços bons = um bom começo para o sucesso.

Ficar com os cotovelos apoiados nos joelhos, olhando para baixo e resmungando outra semana de caixa vermelho e deixar o crédito adquirido, quando das eleições, na lata de lixo...

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Meu pai, no dia dos pais


Certa manhã meu pai chegou do serviço um tanto triste, outro tanto silencioso.
Tomou assento à mesa, para nosso café da manhã e disse, entre um gole e outro, que precisaríamos mudar de casa, para poder continuar trabalhando.

Mamãe, parceira de sempre desse homem batalhador, sem perguntar muitas coisas, arrumou nossas coisas e todos embarcamos no caminhão descoberto, com destino a outros tempos.

O tempo passou, os filhos cresceram, papai lutador sempre colocando a mão na massa para nos dar o pão de cada dia.
Cada um dos filhos teve caminhos independentes, apesar de nunca efetivamente romperem o cordão umbilical com a família.

Zeca, devido a planos do Criador, transferiu-se para outro tipo de energia.
Mais um tanto de tempo passou e papai também pegou rumo idêntico ao do mano Zé Carlos.

Às vezes sonho com os dois, somando risos e brincadeiras no todo da família.
A saudade que sinto de meu pai é daquele tipo de saudade verdadeira, quando cultivamos o bem querer, o amor, a amizade em doses espetaculares de discernimento e aceitação.

Herdamos do velho Abel Padeiro as lições de correto proceder, dignidade e respeito.
O que procuramos não transgredir para o bem existir de nossos semelhantes e de nossa própria porção de tempo por aqui.

Neste Dia dos Pais, abraço fraternalmente meu pai, dotados que fomos, seus filhos, de plena e constante imantação das pessoas que se amam, em qualquer tempo do Senhor Tempo.
Beijão, meu pai, pelo dia de hoje, todos os dias!

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Paineiras Country Club + Charles Anjo 45 = QUINTA NOBRE

Publiquei no meu site de notícias a matéria sobre o projeto Quinta Nobre, desenvolvido pelo Paineiras Country Club de Pindamonhangaba e o grupo Charles Anjo 45.
Oportunidade espetacular, esse projeto, para os baileiros de plantão passarem bons momentos de lazer e diversão sadia, num ambiente amplo, com boa música e excelente serviço de bar.
Vale a pena ler a matéria:cique aqui e leia

Vou postar, aqui, o clipezinho que fiz do baile realizado na última quinta-feira de julho
O Paineiras tem se mantido em boa forma, no que tange a programação de bailes, enquanto outras associações capengam por conta da falta de foco de seus responsáveis...

Por isso, cabe destacar as ações desenvolvidas pela equipe do presidente Gontran Junior.

Veja, a seguir, o clipe do Baile de 30 anos do Paineiras:
E já que estamos na onda de vídeos, mais um produzido por nós, para quem quer uma dica de como participar de ações pela qualidade de vida: Canto sem fronteira, uma campanha deflagrada pela minha nova amiga Renate Esslinger e seu marido Árpád Scerép, de Cunha:
A gente se lê, daqui a pouco...