CLIQUE E OUÇA RADIO CANAL39

segunda-feira, 9 de abril de 2012

A ALMA DO DIREITO ESTÁ DOENTE

CONHECI GILBERTO DE CASTRO RODRIGUES quando de minha avaliação para trabalho na planta de Taubaté da Volkswagen do Brasil S.A.

DAQUELE PRIMEIRO CONTATO até hoje, uma forte amizade, com muito respeito profissional se transformou numa espécie de "irmandade", mesmo à distancia.

TIVE O PRAZER DE ELABORAR, para Gilberto, a capa de seu primeiro livro (Corpo Chão), contendo verdadeiros brilhos de cidadania e crítica a muitos já superados conceitos, apesar de ainda arraigados na mente de, felizmente, uma minoria supostamente dominante.

PSICÓLOGO, ESCRITOR E BACHAREL EM DIREITO, esse meu amiguirmão vem para as notícias da mídia para anunciar seu livro “Da alma do Direito ou a Psicologia do Direito”. A obra propõe uma reflexão sobre o Direito, sua aplicação, como é ensinado e aprendido atualmente e o seu descompasso com o processo de desenvolvimento, de evolução e de aperfeiçoamento de outras atividades científicas e, principalmente, com relação a sua incapacidade para atender às demandas da sociedade.

SEGUNDO O AUTOR, "A Alma do Direito está enferma. A Psicologia pode e deve socorrê-la em prol da sociedade que está órfã de um Estado que, mesmo valendo-se de um Sistema Jurisdicional estruturado, não está conseguindo tornar-se de fato e de modo eficaz um disciplinador da convivência e do comportamento humanos. A sugestão ora apresentada pode tornar-se inovadora e vir a ser uma solução. Somente um Direito com Alma pode impedir a descrença da sociedade na capacidade do Estado para protegê-la e para zelar pelos caminhos que tem que trilhar na realização da sua individualidade. O abandono do Estado pode consentir, tacitamente, num retrocesso civilizatório e autorizar a pessoa a buscar solução para suas demandas a seu modo e com seus instrumentos e técnicas. A queixa com relação ao distanciamento entre o Direito e o indivíduo na sociedade é antiga — tem quase a idade do Direito — e as providências para sanar essas queixas têm-se apresentado ineficazes".

CONVIDADO PARA FAZER A APRESENTAÇÃO DESSA PRIMEIRA OBRA na praia da literatura voltado ao Direito, o juiz de Direito no Estado de São Paulo Luis Manoel Fonseca Pires destaca tratar-se de “um livro que nos convida a pensar e a agir. Irreverente, densamente crítico, provocante”.

O LIVRO TEM LANÇAMENTO PELA EDITORA LETRAS JURÍDICAS e sua primeira noite de autógrafos acontece dia 18 de abril na Livraria da Vila - Lorena, na Alameda Lorena, 1731, Jardins, São Paulo. Uma semana depois, no dia 25, é a vez de Taubaté receber o lançamento, com Gilberto Rodrigues apresentando seu trabalho na Subseção da OAB, à rua Quatro de Março, 441. Em ambas as datas o início está marcado para as 19h.

VOTOS DE PLENO SUCESSO E MUITOS OUTROS trabalhos nessa intrincada praia de avaliação do Direito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário